Paroles de Aguas de marco (waters of march)

Antonio Carlos Jobim

pochette album Aguas de marco (waters of march)
Voir sur Itunes

sonnerie téléphone portable pour Aguas de marco (waters of march)

Pau, pedra, o fim do caminho
Um resto de toco, um pouco sozinho
Um caco de vidro, a vida, o sol
A noite, a morte, o lao, o anzol

Peroba do campo, o n da madeira
Caing, candeia, o matita pereira
Madeira de vento, tombo da ribanceira
O mistrio profundo, o queira ou no queira

O vento ventando, o fim da ladeira

A viga, o vo, festa da cumueira
A chuva chovendo, conversa ribeira
Das guas de maro, o fim da canseira

O p, o cho, a marcha estradeira
Passarinho na mo, pedra de atiradeira
Uma ave no cu, uma ave no cho
Um regato, uma fonte, um pedao de po

O fundo do poo, o fim do caminho
No rosto o desgosto, um pouco sozinho
Um estrepe, um prego, uma ponta, um ponto
Um pingo pingando, uma conta, um conto

Um peixe, um gesto, uma prata brilhando
A luz da manh, o tijolo chegando
A lenha, o dia, o fim da picada
A garrafa de cana, o estilhao na estrada

O projeto da casa, o corpo na cama
O carro enguiado, a lama, a lama
Um passo, uma ponte, um sapo, uma r
Um resto de mato, na luz da manh

So as guas de maro fechando o vero
A promessa de vida no teu corao

Uma cobra, um pau, joo, jos
Um espinho na mo, um corte no p

So as guas de maro fechando o vero,
A promessa de vida no teu corao

Pau, pedra, o fim do caminho
Um resto de toco, um pouco sozinho
Um passo, uma ponte, um sapo, uma r
Um belo horizonte, uma febre ter

So as guas de maro fechando o vero
A promessa de vida no teu corao
Pau, pedra, fim, caminho
Resto, toco, pouco, sozinho
Caco, vidro, vida, sol, noite, morte, lao, anzol

So as guas de maro fechando o vero
A promessa de vida no teu corao.

Les autres musiques de Antonio Carlos Jobim